Território Artificial

A anexação do território autônomo da Crimeia pelo governo russo reascende questões territoriais do leste europeu que advêm desde a Primeira Guerra Mundial. A colcha de retalhos, modificada por todo o século XX prossegue criando discussões, discórdias e mudanças geopolíticas na região, que refletem nas relações entre Ocidente e Oriente.

As condições econômicas dos países no entorno da Rússia ditam a estabilidade territorial da região. A incorporação da Crimeia, antes pertencente à Ucrânia, ocorre em meio à instabilidade política ucraniana, que acaba de destituir seu presidente, Viktor Yanukovych, pró-Rússia. O motivo foi a recusa do governo em prosseguir negociações para aproximação com a União Européia. Sem força para manter seu território, devido à desestabilização política e econômica, o governo atual de coalizão aceita o destino da Crimeia. As potências ocidentais, Europa e Estados Unidos, são contra a incorporação, enquanto a Rússia declara o ato legítimo após referendo realizado na Crimeia, onde a população de maioria russa decidiu ligar-se ao país governado por Putin.

A Crimeia está localizada ao sul da Ucrânia e é uma região estratégica, já que possui portos que dão acesso ao Mar Negro, sendo o principal, o porto de Sebastopol. A posição forte da Rússia na região impediria uma dominação ocidental do Mediterrâneo, e garantiria um local para a frota russa. Moscou cedeu a região para a Ucrânia em 1954, quando o país pertencia à União Soviética. Desde essa época, a Crimeia é uma importante região para a Rússia conter a entrada ocidental no Mar Mediterrâneo e, em última instância, no Oriente Médio.

A opacidade econômica e a instabilidade política dos ex-soviéticos contribuem para os jogos de poder do Ocidente e Oriente. Estados Unidos, Europa e Rússia aproveitam-se das fraquezas desses Estados para concretizarem ambições políticas. Outros países, como Letônia, Lituânia, Estônia, Moldávia e Polônia estão atentos aos movimentos russos, já que não suportariam conflitos geopolíticos em seus territórios.

Os países ocidentais já se declararam contrários à anexação da Crimeia. Contudo, nesse jogo de poder não existe certo e errado, apenas interventores que desconsideram soberanias e direitos humanos. Trata-se de um povo que dança conforme os ventos do poder. Por enquanto, uma criação e recriação artificial das grandes potências.

Uma resposta para “Território Artificial”

  1. Leonardo disse:

    Parabéns pelo texto. Forte abraço.

Deixe uma resposta