Sobre a sustância do negro do rap ao teatro

Em cartaz até dia 17 de abril, grupo de teatro Coletivo Negro apresenta Farinha com Açúcar ou Sobre a Sustância de Meninos e Homens, montagem contemplada pela XXV Edição da Lei de Fomento ao Teatro para a cidade de São Paulo.

A peça retrata com maestria a sobrevivência do brasileiro negro diante das dificuldades da miséria e da exclusão social. São cenas contundentes, de música marcante e dramaturgia forte, que montam um retrato perverso porque verídico da vida nas periferias. A peça é inaugurada com a frase: “atenção, isso não é uma ficção”, colocação muito pertinente do ator, dramaturgo e diretor do projeto, Jé Oliveira, ilustrando desde o princípio, o caráter de denúncia da obra.

Oliveira divide o palco com cinco músicos e, juntos, criam uma espécie de concerto cênico. Os artistas são: Cássio Martins, Fernando Alabê, Mauá Martins, Melvin Santhana e Dj Wojtila. Em algumas apresentações, também contam com a participação especial do Dj Kl Jay.

O projeto teve início com investigações e pesquisas de Jé Oliveira, também integrante do Coletivo Negro, sobre a identidade do homem negro de periferia e de como essa individualidade se projeta na sociedade.  “É semelhante, porém com muitas diferenças, àquele pensamento da Simone de Beauvoir – não se nasce mulher, constrói-se mulher”, explica Oliveira, para ele, com o negro o processo é semelhante, principalmente, na construção do ponto de vista étnico.

A princípio, ouviu-se os depoimentos de doze homens negros de periferia, de diferentes idades e ocupações. Mais tarde, a partir das entrevistas, Jé Oliveira percebeu que os Racionais Mc´s apareciam como uma referência musical muito marcante na vida dos entrevistados, assim como foi para ele, e decidiu então criar uma apresentação teatral friccionando o obra dos Racionais com os relatos desses homens.

 “Eles falavam de onde minha família vinha e de como era a minha vida sem nem me conhecerem! Eu tinha uns doze anos e nem sabia quem eram aqueles caras, os Racionais, e aquela música foi um choque para mim. Ela me ajudava, no meu entendimento de menino, a entender melhor quem eu era. Periferia é periferia em qualquer lugar, não é? Tem uma música deles em que o título é esse” – Jé Oliveira.

Além de tantos outros aspectos que surgem em cena, Farinha com Açúcar ou Sobre a Sustância de Meninos e Homens é a celebração da vida, da vida mesmo cheia de privações, em contraste com a morte. Um expurgo de “coisas entaladas que devem ser ditas”, diz Jé Oliveira, uma reflexão de como o negro vem vivendo e morrendo nas periferias do país.

Farinha com Açúcar ou Sobre a Sustância de Meninos e Homens 

Onde: Complexo Cultural Funarte São Paulo, Alameda Nothmann, 1058, Campos Elíseos, São Paulo – SP.

Quando: de quinta a sábado, às 21 horas. Domingo às 20 horas.

Deixe uma resposta