Que bela e recatada situação nós chegamos

Sinto-me sinceramente desmotivada em argumentar contra uma parcela da sociedade brasileira dadas as atuais conjunturas. O desanimo é profundo e sincero, porque os absurdos são tantos e tão rapidamente atropelados, que vale pensar se não estamos falando com uma legião de cegos, surdos e, infelizmente, tudo, menos mudos.

Não bastasse os argumentos vergonhosos dos deputados na votação do impeachment; salve o regime militar, minha neta, deus, família, inocência das crianças, oi?; declarações estas ainda em fase de digestão, já se sobrepõe ao caso a cusparada de Jean Wyllys (PSOL -RJ) em Bolsonaro (PP – RJ) e, como se não bastasse, um artigo da Veja sobre a esposa do vice-presidente Michel Temer intitulado “bela, recatada e do lar”.

Já anunciando a pobre moça como futura primeira-dama, a Veja fez um perfil caricato de Marcela Temer, estampando na coitada, e digo coitada e pobre moça, pois suponho que Marcela Temer não imaginou se transformar na dama do retrocesso dos direitos femininos, suponho…

Como é possível uma mulher não só tolerar como reproduzir insultos machistas contra a primeira presidenta do Brasil, chamando-a de emotiva, frágil, safada, etc, e invejar e se espelhar na “mulher de sorte”, termo da Veja, Marcela Temer?

Será possível que o grau de alienação é tão profundo ao ponto das leitoras, digo leitoras, especialmente, não desconfiarem dos perigos de um artigo dessa natureza? E os leitores, homens, aceitam de bom grado o modelo de mulher elogiado pela revista? Modelo de mulher? Sério?

Por não acreditar no que ando lendo e vendo por aí, sinto-me incapaz de argumentar com essa parte obscura do Brasil. A despolitização e a alienação estão sendo postas às claras como nunca antes imaginado em pleno 2016.

Às vezes me pego falando em álgebra, quando deveria começar esclarecendo uma simples operação de soma. Vejamos; a primeira presidenta do Brasil, menos, o direito democrático de exercer seu cargo, mais, Marcela Temer, mulher modelo da revista Veja, os fatores resultam em… Dispenso comentários.

Perdoem-me pelo derrotismo.

Uma resposta para “Que bela e recatada situação nós chegamos”

  1. Honeysuckle disse:

    Creo que el Teatro es fundamental para que se quiten los miedos de cara al público que suele tener la gente a la hora de hablar. Con esta iniciativa se ayuda a perder ese miedo. También considero que hay poca inaofmrción acerca de los cursos, no solo en estos de teatro, también de otras actividades. Otra cosa que considero importante es la falta de horarios a la hora de hacer actividades de este tipo, todas son por la mañana y por la tarde no suele haber ninguna.

Deixe uma resposta