O que querem os novos torcedores do Brasil?

Desde a reeleição de Dilma Rousseff, em 2014, milhares de pessoas têm ido às ruas protestar contra a presidenta e o PT. Os protestos assemelham-se a uma torcida de futebol. Nesse caso, uma torcida pelo Brasil. O uniforme obrigatório: as cores do país; e lá vai o povo desamarrotar as camisas da Copa do Mundo para irem protestar.

Dentro da manifestação há todo tipo de indivíduo que é contra o PT e a presidenta. Existem aqueles que são a favor do golpe militar, os que são de partidos de oposição, os que vociferam contra a corrupção e os que pedem por uma economia neoliberal. O ponto em comum é tirar a presidenta do poder.

Alguns movimentos que organizaram as marchas são: Movimento Brasil Livre, Vem Pra Rua e Revoltados On Line. Formados pela classe média alta, os integrantes são contra teorias latino-americanas, como o bolivarianismo, e possuem um discurso raso quanto a pautas políticas gerais . Vestidos com a bandeira do país, eles acreditam que irão mudar o Brasil.

Desigualdade social não entra na pauta. Não há apoio da academia e de professores ao movimento. As classes mais baixas aparecem vestidas de branco, mas não é pela paz, trata-se do uniforme das babás.

O que as pessoas menos afetadas pela crise fazem nas ruas? Parece que pedem por justiça própria e sentem vontade de fazer parte daqueles que protestam. De uma forma ou de outra, parecem querer dominar a cidade que observam diariamente da distância de seus carros.

Quando saem nas avenidas, imitam a única coisa que já fizeram nas ruas, que é torcer pelo Brasil, como em um jogo da Copa do Mundo, com direito a xingos, canções e fantasias verde e amarela as mais variadas. E o Brasil continua sendo o país do futebol. Só que dessa vez,  a classe média e alta é atriz principal e organizadora da política do pão e circo, que nada pede e nada resolve, apenas fornece diversão.

Deixe uma resposta