Novos Ventos Pela Cidade

No dia 23 de janeiro desse ano, uma semana após o início do Programa Braços Abertos da prefeitura, a região do centro da cidade sofreu mais uma de tantas medidas autoritárias contra os moradores em situação de rua.

A operação arbitrária de “higienização” do Denarc, Departamento de Narcóticos da polícia Civil, dirigida pelo governo do Estado, expulsou os moradores de seus barracos no centro de São Paulo usando bombas de gás e efeito moral. Arbitrária porque atropelou uma política de inclusão da prefeitura, que mal havia começado a agir no local além da corriqueira truculência da polícia militar. A confiança entre os agentes municipais e o público que eles auxiliam ficou fortemente abalada, prejudicando a aceitação da nova medida nas primeiras semanas de estreia.

O Projeto Braços Abertos insere os usuários de crack em programas de manutenção de praças e vias públicas. Esse trabalho é desempenhado em quatro horas diárias, além de outras quatro horas com orientação profissionalizante para aprenderem outras funções no mercado de trabalho. Também recebem remuneração semanal de R$15, moradia adequada, três refeições diárias e o pagamento de um salário mínimo e meio por mês.

As recaídas estão previstas em virtude da natureza do vício, portanto se o participante não tiver condições de trabalhar, ele não é excluído do programa, desde que frequente os aparelhos especializados das prefeituras, como os CAPS – Centro de Atenção Psicossocial. Aqueles que procuram deixar o vício também são beneficiados porque, de acordo com o programa, também estão se esforçando contra a dependência química.

Também é esperado do secretário nacional de políticas antidrogas do Ministério da Justiça, Vitore Maximiano, a promessa de criar mais 16 centros de atendimento psicossocial (Caps) para auxiliar os atendimentos que vêm sendo feitos na cidade.

Operação Limpa em 2005, Operação Centro legal em 2009, Operação Sufoco em 2012 e qualquer tipo de operação que pressuponha uma “limpeza” não vão melhorar as condições daquelas pessoas que estão marginalizadas na sociedade por uma série de motivos e carências.

Espera-se que o Programa Braços Abertos possa esclarecer, para governantes e cidadãos, que verdadeiros resultados são colhidos em longo prazo. O uso empírico da violência ainda não nos trouxe resposta alguma para o problema das drogas no centro de São Paulo.

Além das questões eleitoreiras entre governo estadual e municipal, é preciso estarmos atentos aos resultados e não deixarmos o pouco que é feito de bom descambar em intrigas de palanque. Ainda há muito para ser feito, mas já podemos alimentar a esperança de novos ventos nas políticas públicas de nossa cidade. Enquanto isso, vamos observar os resultados da “bolsa crack”, como uma pequena parcela da sociedade gosta de nomear, e vermos o resultado.

Deixe uma resposta