Na contracorrente do deus salve a América

O crescimento das convicções cristãs na política pública e nos discursos dos congressistas norte-americanos fez com que ateus e simpatizantes da causa reivindicassem espaço em âmbito político representativo. Os descrentes se uniram e criaram um fundo para o financiamento de campanhas eleitorais de candidatos com o comprometimento secular nos mandatos. O grupo de ateus também articulam lobbys no Congresso para que reivindicações de caráter laico sejam atendidas.

O secularismo é o princípio da separação entre instituições religiosas e as pessoas responsáveis pelo comando do Estado. Não é a proibição de manifestações religiosas e sim a ausência de crença, a fim de preservar o respeito e o espaço para todas as manifestações de fé.

A ideia desse grupo, através da instituição AHA, American Humanist Association, traduzido por Instituição Humanista Americana, é mostrar para a sociedade que as pessoas sem religião não são os “pecadores” que a mentalidade cristã prega aos seus adeptos. Defendem o direito à liberdade de crença religiosa e de expressão e esclarecem os danos do discurso cristão nas políticas públicas, econômicas e sociais.

A instituição existe a mais de 70 anos, e surgiu da necessidade de mostrar à população que determinada convicção religiosa não deve interferir nas decisões políticas de uma nação. No estado norte-americano do Tenessi, região sudeste, uma lei aprovada em 2012 permite que os professores da rede pública questionem a teoria da evolução, dando preferência ao criacionismo. Outro exemplo é o bordão “deus salve a América” nas declarações de todos os presidentes já eleitos. Os membros da AHA lutam pelo direito de uma sociedade progressista onde ser bom não necessariamente significa ser um homem cristão.

No Brasil, a banda não toca diferente, ainda que não tenhamos um projeto de lei que defenda a visão bíblica sobre a científica, aquela discreta e constante cruz atrás da mesa principal do Congresso Nacional sugere que aqui também é preciso articular qualquer coisa como contracorrente.

Deixe uma resposta