Através de um espelho

O documentário Liv & Ingmar – Uma História de Amor, dirigido por Dheeraj Akolkar, registra o amor entre Liv Ullmann e Ingmar Bergman, contado pela atriz norueguesa, ex-esposa do cineasta, com quem ele teve uma filha. Conforme Liv narra os segundos, horas e dias passados ao lado do introspectivo Bergman, cenas dos filmes do cineasta, protagonizado por ela, ilustram os sentimentos das palavras de Liv. Os olhos azuis da protagonista falam e, neles, é possível enxergar a jovem atriz por quem Bergman teria um laço por toda sua vida. O filme, ao ser Liv, é parte de Bergman.

Jean-Luc Godard define o cinema de Ingmar Bergman como 1/24 de segundo que se metamorfoseia e se estica durante uma hora e meia, como o mundo entre dois piscares de olhos, a tristeza entre dois batimentos de coração, a alegria de viver entre o bater de duas palmas. O documentário mostra a sensibilidade do amor entre Liv e Ingmar, um amor que não acaba com o fim de um relacionamento, mas que prossegue, por toda uma vida, com diferentes maneiras de se expressar. É como se fosse possível segurar o segundo da paixão e prolongá-lo por toda uma vida, das formas mais variadas: paixão, amor, rancor, amizade e, por fim, com a morte, saudade.

No filme, a atriz Liv Ullmann, cita alguns trechos de seu livro autobiográfico Mutações, de 1976: “Quero escrever sobre o amor – sobre o ser humano – sobre solidão – sobre a existência de uma mulher. Quero escrever sobre um encontro, numa ilha. Um homem que mudou minha vida. Quero escrever sobre uma mutação que foi acidental e uma outra, deliberada”.  A atriz protagonizou filmes de Bergman até o fim de sua carreira, e esteve ao lado do cineasta quando ele faleceu.  Já separados, o amor não se transformou em amizade, mas sim, prosseguiu como amizade.

O filme é a análise de um momento, do encontro que modificará uma vida e que, mesmo após a ausência, permanece.  Nas palavras de Liv, eles estavam dolorosamente conectados.

Deixe uma resposta