As Arpilleras do Brasil

Chega no Cine Belas Artes o longa-metragem Arpilleras: atingidas por barragens bordando a resistência.  Filme feito sem financiamento privado e produzido pela organização MAB (Movimento dos Atingidos por Barragens). A ONG atua há 26 anos com as comunidades ribeirinhas vítimas das zonas de alagamento.  

O documentário denuncia essa realidade ao cruzar o relato de dez mulheres atingidas pelas barragens e que residem em diferentes regiões do Brasil.

O título do filme vem de um costume cultural das mulheres bordadeiras chilenas conhecidas como as Arpilleiras.  Arpilleiro é o nome da juta grossa, o famoso saco de batata, onde as mulheres faziam bordados ilustrando a realidade onde viviam, muitos desenhos eram de cunho político e ajudavam a denunciar os abusos do regime ditatorial de Augusto Pinochet. Na época, a cantora Violeta Parra foi a grande responsável por divulgar e enviar as obras dessas bordadeiras para fora do país durante a ditadura. 

No Brasil, O MAB iniciou em 2013 um trabalho de capacitação com as atingidas por barragens. Foram mais de 150 oficinas de bordado e costura desde então. O objetivo é fortalecer a auto-organização das mulheres e criar mecanismos de denúncia do que acontece na comunidade local quando se inicia a construção de uma barragem. 

No documentário, uma mulher militante se une a outras senhoras bordadeiras  pelo Brasil, criando um mosaico de histórias de luta e resistência. São mulheres que perderam suas casas e a vida de familiares, mas não a vontade de se fazerem lembradas. Daí, a necessidade delas de tecerem a nós as suas histórias de vida.

Um relato audiovisual emocionante e urgente. Um Brasil que nos escapa. Uma obra a qual todos nós devemos (enfatizando o dever do verbo) conhecer e divulgar.     

Arpilleras: atingidas por barragens bordando a resistência

Cine Caixa Belas Artes – Rua da Consolação, 2423 – São Paulo/SP
Quando: do dia 19 a dia 25 de outubro, às 19 horas. 

Deixe um comentário

Seja o Primeiro a Comentar!

Notify of
avatar
wpDiscuz